Segurança em eventos

segurança em eventos


Para que não haja imprevistos, o planejamento em grandes eventos deve ser feito com bastante antecedência e deve incluir todas as partes envolvidas para que cada detalhe de segurança seja analisado e alinhado entre organizadores e órgãos públicos.


Dentro desse planejamento, deve-se prever situações como incêndios e brigas. Eles podem tomar grandes proporções se não forem devidamente controlados!


Uma característica importante nesse tipo de prevenção é limitar o número de pessoas que podem ter acesso ao evento, conforme a capacidade do local e perfil de público. Depois, alinhar uma rota de fuga e fornecer o treinamento adequado aos encarregados pela segurança é de extrema importância. A parceria com o poder público também é necessária.


São Paulo, por exemplo, tem uma média de um evento a cada 6 minutos, isso é, 90 mil eventos por ano. Cada um deles deve ser muito bem planejado para que o índice de acidentes não cresça. Todas as análises de riscos devem ser bem observados, pois com tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo, organização e planejamento se tornam um fator de sucesso antes, durante e após o evento.


Plano de emergência:


Eventos para mais de 2,5 mil pessoas são obrigados a criar um plano de emergência que vise, em primeiro lugar, à proteção da vida.


Esse planejamento deve contemplar todas as saídas comuns e de emergência (com rotas de fuga detalhadas), dispositivos de segurança como extintor, um posto médico e uma ambulância com cobertura assistencial para todo tipo de emergência à disposição do público.


O plano emergencial deve ser colocado em primeiro lugar na criação de um evento. E ele não pode ser feito somente com base em históricos de acidentes e pela pura percepção dos gestores. Deve-se conversar com bombeiros e técnicos para entender melhor do assunto e saber exatamente como o plano deve ser feito.



Erros mais comuns:


A falta de treinamento da equipe para situações emergenciais é apontada como um dos principais erros em eventos. Geralmente o público fica paralisado esperando uma orientação da equipe operacional, que se não estiver preparada, tomará decisões improvisadas mais ligadas ao emocional do que ao racional.


O organizador deve entender muito bem do seu evento e características, e em caso de imprevistos seguir o roteiro básico à risca. Ele pode ser fundamental à proteção das vidas.


É importante que antes da data do evento sejam reunidos todos os envolvidos ao evento para listar tudo o que pode dar errado e suas soluções. Assim o organizador pode montar ações e recursos preventivos e treinar sua equipe para eventuais acidentes.



Estrutura adequada:


Eventos em geral devem seguir as normas técnicas do Corpo de Bombeiros.


Uma das exigências básicas é a presença de saídas de emergências, que devem estar bem sinalizadas.


Revista incêndio Edição 141 | Abril 2017

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Capacetes: o que cada cor significa?

Você já ouviu falar de piroforicidade?

O acidente de trabalho